Evaristo de Miranda

Evaristo de Miranda formou-se em Agronomia na França (1976) e tem mestrado e doutorado em Ecologia pela Universidade de Montpellier. Seu trabalho de mestrado e doutorado foi realizado na região de Maradi, no Níger (África). Dessa experiência resultou a obra “A geografia da pele – um brasileiro imerso na África profunda“. Em 1980, ingressou como pesquisador na Embrapa Semiárido, em Petrolina. Implantou e dirigiu três Centros Nacionais de Pesquisa na Embrapa. Atualmente é o Chefe Geral da Embrapa Territorial.

Foi professor do Instituto de Botânica da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) e do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (USP). Membro de várias sociedades científicas, atuou como consultor da ONU na Conferência Mundial sobre Meio Ambiente, a Rio-92. Com centenas de artigos científicos e de divulgação publicados no Brasil e exterior, Evaristo de Miranda é autor e co-autor em mais de 40 livros em português, inglês, francês, italiano, espanhol e mandarim.

Iniciou sua carreira[1] como escritor sobre temas de humanidade com a publicação dos livros “Água, Sopro e Luz” (1995), “Agora e na Hora” (1996), “Corpo Território do Sagrado” (2000) e “Sábios Fariseus” (2001), traduzidos na Itália e na França. Mais recentemente publicou “O Íntimo e o Infinito”, “300 razões para batizar”, “Vai entender esses católicos”, “Bíblia – história, curiosidades e contradições” e “O Senhor Bom Jesus de Monte Alegre do Sul”. Dentre seus livros da área de ecologia e agricultura, destacam-se “Tons de Verde: a sustentabilidade da agricultura no Brasil (2018), “Agricultura no Brasil no Século XXI” (2013), “Jaguar” (2010) e “Jardins Botânicos do Brasil” (2009).

Sua produção científica e literária é polivalente, aborda temas como a fauna selvagem[2] e doméstica[3][4]; os ecossistemas brasileiros[5][6] e sua história[7][8]; a cartografia[9] [10] e o monitoramento da vegetação[11][12] e do meio ambiente por satélite[13], voltados para a gestão territorial da agricultura[14]. Trata também de temas filosóficos [15] e de espiritualidade[16] [17].

Por oito anos apresentou um quadro no programa semanal Caminhos da Roça da EPTV-Globo e é comentarista de agrocultura na Rede Bandeirantes de Rádio e Televisão. Publica regularmente em jornais e revistas como National Geographic, ECO 21, AgroDBO, Jornal da Universidade, A Tribuna, Agroanalysis e O Estado de S. Paulo[18].